Vídeo mostra bombas e correria no fim do Bloco da Favorita

redes sociais

Vídeo mostra bombas e correria no fim do Bloco da Favorita

O evento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, reuniu mais de 300 mil pessoas e terminou em confusão

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram a confusão na praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, no fim do Bloco da Favorita. O evento ocorreu nesse domingo (12/01/2020) e terminou com correria, gás lacrimogênio e pancadaria.

Leia mais em: https://www.metropoles.com/brasil/policia-br/video-mostra-bombas-e-correria-no-fim-do-bloco-da-favorita

Oscar 2020: Democracia em Vertigem é indicado a melhor documentário

Reprodução/Netflix

Oscar 2020: Democracia em Vertigem é indicado a melhor documentário

Democracia em Vertigem, dirigido por Petra Costa e distribuído pela Netflix, foi indicado ao Oscar 2020 de melhor documentário. O filme concorre com Indústria Americana (produzido pelo casal Barack e Michelle Obama), The Cave, For Sama e Honeyland.

Curso de Formação em Psicanálise

De R$ 1.000,00 por apenas R$ 500,00 ou 4x de 125,00 no boleto, ou você pode pagar via cartão pelo PagSeguro em mais parcelas.

Acesse: https://institutouniverse.com.br/course/curso-de-formacao-em-psicanalise/

O anúncio das indicações foi feito na manhã dessa segunda-feira (13), veja a lista completa. Em Democracia em Vertigem, Costa faz um retrato pessoal do processo que tirou Dilma da presidência do Brasil, em 2016, a partir de um ponto de vista pessoal, misturando sua história familiar com a trajetória política do país. A história começa a ser contada a partir do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e seg… –

Continuar lendo Oscar 2020: Democracia em Vertigem é indicado a melhor documentário

O adeus ao pioneiro da psicanálise

Roberto Pinto de Moura: iniciou psicanálise para o autoconhecimento
O adeus ao pioneiro da psicanálise Precursor da área em Campinas, Moura foi professor da Unicamp e da PUC
Campinas se despediu na última quinta-feira, dia 9, de Roberto Silveira Pinto de Moura, que morreu aos 94 anos. Ele nasceu na cidade em 23 de junho de 1925. Foi o primeiro psicanalista da cidade e um dos fundadores do Departamento de Psicologia Médica da Unicamp. Era viúvo de Maria da Rocha Pinto de Moura, deixa quatro filhos, sete netos e três bisnetos.

Curso de Formação em Psicanálise

De R$ 1.000,00 por apenas R$ 500,00 ou 4x de 125,00 no boleto, ou você pode pagar via cartão pelo PagSeguro em mais parcelas.

Acesse: https://institutouniverse.com.br/course/curso-de-formacao-em-psicanalise/

A vida profissional de Moura não seguiu um roteiro. Queria ser advogado, atuou como jornalista, estudou medicina e se destacou como psiquiatra. Costumava dizer que veio ao mundo em 1925, mas nasceu de verdade em 1946, quando passou a frequentar as redações dos jornais Diário da Noite e Diário de São Paulo. “Até então, eu não sabia o que era a vida”, disse uma vez, em entrevista.

Trump se diz aberto a negociar com o Irã: ‘Depende deles’

Trump se diz aberto a negociar com o Irã: ‘Depende deles’

Aceno ao governo iraniano ocorre depois de semana tensa, que quase levou os dois países ao conflito aberto

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na noite de domingo 12 que está aberto a negociar um novo acordo nuclear com o Irã, mas que o primeiro passo depende do regime iraniano. Suas únicas condições, conforme deixou claro, são: “sem armas nucleares e não matem os manifestantes”. A meta de impedir os iranianos de obter armamento atômico já era o objetivo do acordo anterior assinado pelo seu antecessor, Barack Obama, em 2015.

Leia mais em: https://veja.abril.com.br/mundo/trump-se-diz-aberto-a-negociar-com-o-ira-so-depende-deles/

Manifestantes vão às ruas em cidades do Irã no terceiro dia de protestos

Manifestantes em Teerã no dia 11 de janeiro de 2020 — Foto: Nazanin Tabatabaee/Wana/ via Reuters

Manifestantes vão às ruas em cidades do Irã no terceiro dia de protestos

Nos atos, iranianos atacam governo que negou, durante três dias, ser o responsável pela queda de um avião com 176 pessoas a bordo. Em relatos, manifestantes dizem que a polícia atirou para conter aglomerações, mas as autoridades negam.

Manifestantes foram às ruas de cidades do Irã nesta segunda-feira (13) pelo terceiro dia consecutivo para protestar contra o fato de as autoridades do país terem mentido, durante três dias, sobre a queda de um avião civil. A aeronave caiu no dia 8, perto de Teerã, em meio a um conflito com os Estados Unidos.

Vídeos mostram o batalhão de choque e os manifestantes de novo nas ruas nesta segunda-feira (13). Em imagens de protestos anteriores, se veem pessoas cantando slogans contra o líder supremo do país, poças de sangue nas ruas e disparos de tiros.

Leia mais em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/01/13/manifestantes-vao-as-ruas-em-cidades-do-ira-no-terceiro-dia-de-protestos.ghtml

Elizabeth II convoca Harry para reunião com Charles e William

Camilla, duquesa de Cornwall, Elizabeth II, rainha da Inglaterra, Meghan, duquesa de Sussex, Harry, duque de Sussex e o príncipe William durante evento da Força Aérea Real britânica, em 10 de julho de 2018 — Foto: Tolga Akmen / AFP

Elizabeth II convoca Harry para reunião com Charles e William

O príncipe Harry se reunirá com sua avó na companhia de seu pai, o príncipe Charles, e de seu irmão, o príncipe William, com quem mantém relações tensas.

A rainha da Inglaterra, Elizabeth II, se reunirá na segunda-feira (13) com o príncipe Harry na tentativa de resolver a crise provocada pelo anúncio de que ele e sua esposa Meghan decidiram abandonar algumas de suas funções na realeza, segundo a imprensa britânica.

O príncipe Harry se reunirá com sua avó na companhia de seu pai, o príncipe Charles, e de seu irmão, o príncipe William, com quem mantém relações tensas, na residência privada da rainha em Sandringham, no leste da Inglaterra.

Leia mais em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/01/12/elizabeth-ii-convoca-harry-para-reunirao-com-charles-e-william.ghtml

Continuar lendo Elizabeth II convoca Harry para reunião com Charles e William

Trabalhadores com ensino superior são os que mais demoram para voltar ao mercado

Trabalhador segura carteira de trabalho — Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Trabalhadores com ensino superior são os que mais demoram para voltar ao mercado

Em média, quem cursou uma faculdade leva 16,8 meses para conseguir uma recolocação, segundo levantamento da consultoria iDados. Trabalhadores só com o ensino fundamental demoram, em média, 13,1 meses.

Leia mais em: https://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/noticia/2020/01/12/trabalhadores-com-ensino-superior-sao-os-que-mais-demoram-para-voltar-ao-mercado.ghtml