Modelo matemático ajuda a combater o Coronavírus no Reino Unido

Valdivino Sousa

Modelos matemáticos ajudaram, e ajuda a combater o Covid-19 no Reino Unido, essa foi a estratégia do governo britânico contra o coronavírus baseava-se na “mitigação” da pandemia e na “imunização de rebanho”, ou infecção de grande parte da população, que na teoria desenvolveria imunidade coletiva com o objetivo de proteger todos os cidadãos.

Mas de repente tudo mudou: um modelo matemático apresentado pelo Imperial College de Londres deu um panorama extremamente sombrio de como a doença ia se propagar pelo país, como ia impactar o sistema público de saúde (o SUS do Reino Unido, chamado de NHS) e quantas pessoas iam morrer.

E a mensagem não poderia ser mais clara: ou muda-se a estratégia ou mais de 250 mil pessoas vão morrer por causa do novo coronavírus, mesmo se o sistema puder atender todos os pacientes contagiados.

Nos Estados Unidos, esse modelo mostra que entre 1 milhão e 1,2 milhão de pessoas podem morrer pelo coronavírus se medidas imediatas não forem tomadas.

“Pode ser que a gente viva em um mundo muito diferente do que conhecemos durante um ano ou mais”, disse Neil Ferguson, chefe do programa de modelos matemáticos do Imperial College de Londres, ao jornal Financial Times.

Medicos na Italia
Na Itália, os contágios alcançaram 12 mil casos e mais de 1,8 mil contagiados

Por isso, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, começou a falar de “supressão”, que é a estratégia que foi utilizada na China e que significa romper a cadeia de contágio com a distância social de toda a população, em vez de “mitigação”.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) já havia declarado que se a opção fosse não fazer nada, as mortes no Reino Unido podiam chegar a 510 mil. Tendo isso em conta, optou-se pela estratégia de mitigação, com o objetivo de não fechar o país.

Se o governo continuasse com o modelo de mitigação, no entanto, não haveria só essa quantidade de mortos, mas o sistema de saúde entraria em colapso.

“A estratégia de supressão é a única viável”, diz o estudo do Imperial College.

Pessoas nos EUA
Se continuassem com a estratégia de mitigação, nos EUA poderiam morrer até 1,2 milhão de pessoas por causa do coronavírus

O modelo

Para criar esse modelo, os cientistas, levando em conta a experiência de países como a China e a Coreia do Sul, mediram as três estratégias possíveis para enfrentar a pandemia:

– Supressão: romper as cadeias de transmissão, tratando de efetivamente deter a epidemia e reduzir os casos ao menor número possível, como fez a China;

– Mitigação: aceitar que não se pode deter o coronavírus e, portanto, diminuir sua propagação e tratar de evitar ao máximo casos de contágio que fariam colapsar o sistema público de saúde. Essa era a estratégia do governo britânico até esta segunda, 16:

– Inação: não fazer nada e deixar que o coronavírus ataque toda a população gerando imunidade coletiva.

“O que esse modelo nos diz é que devemos reduzir a curva dos casos, com a certeza de que não vamos zerá-la”, disse à BBC Patrick Vallance, assessor de assuntos científicos do governo britânico.

O estudo do centro de pesquisas parte do cenário mais similar ao que a humanidade enfrentou com um vírus sem uma vacina disponível: a pandemia da gripe H1N1 de 1918, a chamada gripe espanhola, quando cerca de 50 milhões de pessoas morreram ao redor do mundo.

Com isso em mente, o modelo implementado pelo Imperial College para realizar sua medição pega algumas variáveis como os dias de incubação do vírus (5,1 dias), a média de pessoas que se contagiaram por dia, as circunstâncias de controle que existiam quando se contagiaram e as taxas de mortalidade e de recuperação.

Também levaram em conta, de acordo com os dados enviados por cada país, as políticas que foram implementadas, como por exemplo: pessoas que foram colocadas em quarentena por apresentar sintomas, pessoas que foram isoladas porque tiveram contato com outra pessoa infectada, distância social das pessoas com mais de 70 anos de idade, distância social de toda a população e o fechamento de escolas e universidades.

Os especialistas aplicaram variáveis de tempo e quantidade de pessoas infectadas a cada um desses aspectos e, sobretudo, como poderiam impactar o sistema de saúde dos dois países, Reino Unido e EUA, levando em conta os leitos disponíveis em cada país.

King's cross
Depois de mudanças de estratégia do governo britânico, lugares como estações de trens começaram a ficar vazios

Resultados

Os resultados deixaram os especialistas desconcertados: se os dois países não tomarem medidas, o modelo mostra que o pico de contágio será alcançado em três meses, infectará cerca de 80% da população e deixará 510 mil mortos no Reino Unido e cerca de 2,2 milhões nos EUA.  Além disso, um sistema de saúde colapsado.

Com a estratégia de mitigação do contágio, além das 255 mortes no Reino Unido e 1,2 milhões nos EUA, o problema seria manter esse sistema de saúde para os casos que devem ocorrer a longo prazo.

“Nossa maior conclusão desse modelo é que a estratégia de mitigação — a que o governo britânico estava adotando — não é factível porque supõe respaldar-se em um sistema de saúde que se veria superado em vários números e em sua capacidade de recuperação”, diz o documento.

Os dados mostram que a estratégia de supressão, que é a mistura de todas essas políticas, reduziria em “dois terços” a demanda por atenção médica por parte dos serviços de saúde no ponto mais alto da crise e é “a política correta para endereçar a pandemia”.

“Os efeitos sociais e econômicos para poder adotar essas medidas serão profundos porque deverão ser financiadas durante um tempo”, diz o texto.

Finalmente, indica que muitos países já adotaram essa estratégia para mitigar o impacto na sociedade e que inclusive países como o Reino Unido, onde o coronavírus está em uma etapa incipiente — em comparação com a Itália e a Espanha — devem adotá-la de forma iminente.

Mais sobre o coronavírus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s