O Brasil registra 24.512 mortes pelo novo coronavírus, com 1.039 óbitos confirmados em 24h

Velório de vítima de covid-19 no cemitério Vila Formosa, em São Paulo; por risco de contágio, há restrição sobre a quantidade de presentes - Alexandre Schneider/Getty Images

O Brasil registra 24.512 mortes pelo novo coronavírus, com 1.039 óbitos confirmados em 24h

O Brasil atingiu hoje 24.512 mortes pelo novo coronavírus, com 1.039 confirmações de óbitos nas últimas 24 horas. Os registros são superiores aos dos Estados Unidos, que tiveram notificadas 592 mortes entre ontem e hoje. Os EUA são o país com maior quantidade de óbitos pela covid-19 no mundo — 98.261, segundo o CDC (Centro para o Controle e Prevenção de Doenças americano). Os dados mais recentes do Ministério da Saúde apontam 391.222 diagnósticos da doença no país; 16.324 infectados foram registrados entre ontem e hoje…. –

Continuar lendo O Brasil registra 24.512 mortes pelo novo coronavírus, com 1.039 óbitos confirmados em 24h

Braga Netto diz que proibição de entrada de brasileiros nos EUA é “técnica”

O ministro-chefe da Casa Civil, general Walter Braga Netto - Isac Nóbrega/PR

Braga Netto diz que proibição de entrada de brasileiros nos EUA é “técnica”

O ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, comentou hoje a decisão do governo dos EUA que proibiu a entrada de brasileiros ou estrangeiros que estiveram no Brasil pelos últimos 14 dias e definiu a medida como “técnica”.
“A posição dos EUA se baseou em critérios técnicos, do mesmo jeito que o Brasil também se baseou em critérios técnicos, porque nós já tínhamos bloqueado a entrada dos americanos aqui”, disse Braga Netto, que citou nota divulgada pelo Itamaraty com o mesmo teor logo depois do anúncio da decisão americana no último domingo (24)..

Governo pretende gastar R$ 44 mil com esteira ergométrica para Mourão

Hamilton Mourão, vice-presidente, à frente de um militar que bate continência - Evaristo Só/AFP

Governo pretende gastar R$ 44 mil com esteira ergométrica para Mourão

O governo federal abriu nesta segunda-feira licitação de R$ 44 mil para adquirir uma esteira ergométrica para o Palácio do Jaburu, onde moram o vice-presidente Hamilton Mourão e a sua mulher, Paula Mourão. O modelo procurado vem com programas pré-configurados de exercício físico, tela touch screen de alta definição, internet, TV e acessos a “cursos interativos”. A justificativa para a procura é que o Palácio do Jaburu não tem aparelho “minimamente adequado” e que atenda aos “princípios da ergonomia e biomecânica”, para prática de exercícios físicos. O governo afirma que a guarda do palácio deve usar o equipamento. “Inclusive com simulação de situações reais onde o caminhar.

‘Interferência anunciada pelo presidente está oficializada’, diz Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) - Reprodução/TV Cultura

‘Interferência anunciada pelo presidente está oficializada’, diz Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), negou hoje que tenha cometido irregularidades e disse estar à disposição da Justiça na apuração dos fatos depois que a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a ele, inclusive no Palácio das Laranjeiras, residência oficial.
Veja Também
Em nota divulgada, o político disse que estranhou e ficou indignado com o fato de que deputados ligados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenham falado sobre uma operação da PF direcionada a ele nas redes sociais nos últimos dias o que, em sua avaliação, demonstra que houve vazamento “com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará”.

‘Não renunciarei’, diz Witzel a secretários após operação da PF

Governador do RJ, Wilson Witzel (PSC) - ADRIANO MACHADO

‘Não renunciarei’, diz Witzel a secretários após operação da PF

Indignado com a operação da Polícia Federal para cumprir mandados de busca e apreensão nas suas residências (oficial e pessoal), o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), reuniu-se com secretários na tarde de hoje no Jardim de Inverno do Palácio Guanabara, sede do governo.
No encontro, Witzel afirmou que não renunciará ao cargo e reiterou que está sofrendo ataque político da família Bolsonaro. Segundo secretários ouvidos pelo UOL, o governador disse que continuará “fazendo o seu trabalho” e que os secretários “devem fazer o mesmo”. Witzel afirmou que todos estão à vontade para deixar o governo, caso se sintam incomodados com as recentes denúncias contra sua gestão..