Arquivo da tag: Wilson Witzel e Valdivino Sousa

Comissão da Alerj suspende prazo para defesa de Witzel no impeachment

Comissão da Alerj suspende prazo para defesa de Witzel no impeachment

A proposta foi do relator Rodrigo Bacellar (Solidariedade), que foi procurado pelo governador Witzel na terça-feira (23) para lhe indicar o comando da Secretaria de Governo

A Comissão Especial da Alerj que analisa o pedido de impeachment do governador Wilson Witzel aprovou nesta quarta-feira, 24, a suspensão do prazo para sua defesa. A proposta foi do relator Rodrigo Bacellar (Solidariedade) e foi aprovada por unanimidade, pois dos 25 membros da comissão, apenas o deputado Marcos Abrahão (Avante) não aprovou já que estava ausente no momento da votação.

Leia mais em: https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/comissao-da-alerj-suspende-prazo-para-defesa-de-witzel-no-impeachment

Rio vai flexibilizar isolamento na semana que vem: veja o que reabre

31.mai.2020 - Movimentação intensa no calçadão da praia de Ipanema, apesar da recomendação de isolamento - ELLAN LUSTOSA/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Rio vai flexibilizar isolamento na semana que vem: veja o que reabre

O governador Wilson Witzel (PSC) irá publicar nas próximas horas, em edição extraordinária do Diário Oficial, um decreto flexibilizando as regras de isolamento social no Rio de Janeiro a partir da próxima segunda-feira (8). As novas normas irão permitir a reabertura de shoppings centers, restaurantes, além da prática de exercícios ao ar livre….

‘Interferência anunciada pelo presidente está oficializada’, diz Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) - Reprodução/TV Cultura

‘Interferência anunciada pelo presidente está oficializada’, diz Witzel

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), negou hoje que tenha cometido irregularidades e disse estar à disposição da Justiça na apuração dos fatos depois que a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a ele, inclusive no Palácio das Laranjeiras, residência oficial.
Veja Também
Em nota divulgada, o político disse que estranhou e ficou indignado com o fato de que deputados ligados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tenham falado sobre uma operação da PF direcionada a ele nas redes sociais nos últimos dias o que, em sua avaliação, demonstra que houve vazamento “com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará”.

‘Não renunciarei’, diz Witzel a secretários após operação da PF

Governador do RJ, Wilson Witzel (PSC) - ADRIANO MACHADO

‘Não renunciarei’, diz Witzel a secretários após operação da PF

Indignado com a operação da Polícia Federal para cumprir mandados de busca e apreensão nas suas residências (oficial e pessoal), o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), reuniu-se com secretários na tarde de hoje no Jardim de Inverno do Palácio Guanabara, sede do governo.
No encontro, Witzel afirmou que não renunciará ao cargo e reiterou que está sofrendo ataque político da família Bolsonaro. Segundo secretários ouvidos pelo UOL, o governador disse que continuará “fazendo o seu trabalho” e que os secretários “devem fazer o mesmo”. Witzel afirmou que todos estão à vontade para deixar o governo, caso se sintam incomodados com as recentes denúncias contra sua gestão..

Witzel defende usar fita e barreira para evitar aglomerações

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel - Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo

Witzel defende usar fita e barreira para evitar aglomerações

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), disse hoje em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, que os prefeitos precisam ter mais ação no controle urbano para o combate à disseminação do novo coronavírus. “Os prefeitos têm que botar fita e barreira. O calçadão está movimentado? Vai lá e fecha. Tem camelô? Isola”, afirmou Witzel. Antes, a emissora havia mostrado imagens de uma feirinha que continua funcionando nos arredores da Central do Brasil, no centro da capital fluminense. A gestão municipal está a cargo do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

Após recuo de ato pró-Bolsonaro, Witzel proíbe manifestações

O governador Wilson Witzel gravou vídeo para anunciar decreto que proibiu manifestações no Rio - Reprodução / Youtube
Coronavírus:  Após recuo de ato pró-Bolsonaro, Witzel proíbe manifestações
O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), negou que sua decisão de proibir manifestações e atos políticos no estado tenha relação com o adiamento de atos pró-Bolsonaro originalmente marcados para este domingo (15). Witzel havia declarado que não iria editar decretos desse tipo, mas mudou de posição 48 horas depois.
Witzel publicou nesta sexta-feira (13) um decreto em edição extraordinária do Diário Oficial do Estado com uma ampla gama de medidas de contenção da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. As principais iniciativas são a suspensão de todos os eventos e manifestações com aglomeração de pessoas e a antecipação das férias em todas as escolas públicas e privadas.

 

Conversa de trabalho, diz Witzel de vídeo em que chama Mourão de presidente

Wilson Witzel, governador do Rio de Janeiro - UOL

Conversa de trabalho, diz Witzel de vídeo em que chama Mourão de presidente

Depois do mal-estar causado com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o vice dele, Hamilton Mourão, —atualmente presidente em exercício—, o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), explicou o vídeo publicado em suas redes sociais de uma ligação com Mourão em que o chama de presidente. Segundo nota divulgada pelo governo fluminense, trata-se de uma “conversa de trabalho”.
“O vídeo divulgado nas redes sociais do governador Wilson Witzel tem somente a intenção de tranquilizar os moradores de cidades do noroeste do estado, fortemente atingidas pelas chuvas e, em função disso, sem item básico neste momento que é água para consumo”, diz a nota.

Continuar lendo Conversa de trabalho, diz Witzel de vídeo em que chama Mourão de presidente

Witzel diz que “crise na prefeitura não pode ser resolvida pelo governo”

Governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel - JORGE HELY/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Witzel diz que “crise na prefeitura não pode ser resolvida pelo governo”

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), afirmou hoje não ter como ajudar a prefeitura da capital fluminense, imersa em uma crise financeira. “Não tenho como emprestar dinheiro. O estado está em recuperação fiscal.
A crise da Prefeitura do Rio não pode ser resolvida pelo governo. Aliás, é bom lembrar que temos outros municípios para ajudar. O governo federal pode ajudar mais”, disse Witzel na manhã de hoje durante café da manhã no qual apresentou um balanço do seu primeiro ano de governo a jornalistas.
Questionado sobre a suspensão de todos os pagamentos e movimentações financeiras da Prefeitura do Rio até segunda ordem, conforme decisão publicada na edição de hoje.

Continuar lendo Witzel diz que “crise na prefeitura não pode ser resolvida pelo governo”

Matemático comenta sobre a classificação dos alunos para o evento internacional de matemática

Por Milton Sousa

O Matemático Valdivino Sousa comenta sobre a classificação dos alunos do colégio em Nilópolis para o evento internacional de matemática, sabemos que a matemática é a ciência mãe de todas as ciências, ou áreas de nossas vidas. É gratificante ver alunos dedicando a uma disciplina vista pela a sociedade como difícil, ou chata. Continuar lendo Matemático comenta sobre a classificação dos alunos para o evento internacional de matemática

Witzel lamenta morte de Ágatha, culpa o crime organizado e defende a política de segurança do governo


Em coletiva, Witzel lamenta a morte da menina Ágatha e fala sobre a dor dos familiares

Em coletiva, Witzel lamenta a morte da menina Ágatha e fala sobre a dor dos familiares

Witzel lamenta morte de Ágatha, culpa o crime organizado e defende a política de segurança do governo

Parentes e testemunhas dizem que a menina de 8 anos foi baleada por um PM, mas corporação nega. Entrevista ocorreu quase três dias após o crime.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), culpou nesta segunda-feira (23) o crime organizado pela morte da menina Ágatha Félix, de 8 anos, e defendeu a política de segurança pública do governo do Rio de Janeiro.

Foi a primeira vez que Witzel falou a respeito, quase três dias depois de Ágatha ser baleada nas costas, quando estava em uma Kombi, na localizada conhecida como Fazendinha, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. Moradores afirmaram que PMs atiraram contra uma moto que passava no local, e o tiro atingiu a criança.

Leia mais em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2019/09/23/witzel-fala-pela-primeira-vez-apos-morte-de-agatha-no-complexo-do-alemao.ghtml

Continuar lendo Witzel lamenta morte de Ágatha, culpa o crime organizado e defende a política de segurança do governo